16 de jan de 2011

O Que Diz a Janela!


Uma janela... Por ela olho atenta o ambiente lá fora. Passam carros, freadas bruscas, pressa... Pessoas cujos semblantes são tão distintos e ao mesmo tempo tão similares. Sorrisos, olhos brilhantes, lágrimas a escorrer pela face. Aborrecimento, indiferença, fé, sonhos...

Junto com as estações e as mudanças climáticas, ciclos terminam e novas oportunidades aparecem. Mudanças - o que seríamos sem estas modeladoras de pensamentos e atitudes? Questiono-me.

O vento passa veloz por meu rosto, a chuva se faz anunciar no horizonte. Nuvens negras e pesadas, o cheiro de terra molhada e o sol que desponta com maestria após a tormenta, lembram que nada parou. Os homens continuam saindo para o trabalho, a correria acelera ainda mais o ritmo da locomotiva diária, os mortos continuam a ser lembrados e sua perda sentida, lamentada, chorada, enquanto os vivos tentam seguir em frente, se agarrando à esperança de que algo irá mudar. Tem que mudar!

As paredes descascam, a casa parece desolada, vazia. Contudo, um som insiste em encher os ouvidos com uma melodia simples, notória, que é puramente graça!

Enfim, posso ver o que antes não via -a janela através da qual observo o mundo - com uma visão renovada, não mais embaçada ou distorcida. Presto a devida atenção ao que o som ao meu redor quer dizer:

Não seja tolo a ponto de achar que tudo será riso ou flores, mas não seja tão estúpido a ponto de ignorar o que te digo: "dias melhores virão, você pode acreditar", e a paz que excede todo entender será sobre você se assim descansar em mim.

Da janela que observo o mundo, vejo uma vida nova. A vida que podemos ter. Nada mais do que a minha vida. A janela sou eu. Esperando apenas um olhar que me conduza em retidão até onde poderei te ver Senhor. Nada mais!

Caro leitor, que esta seja a sua perspectiva neste ano. Simplesmente é o que desejo a você. Deus o abençoe.