1 de ago de 2012

Ocaso... Mas Outro Dia Vem Aí!


Quem disse que não deveria chorar ou me "ausentar" do mundo quando estivesse triste? Ou que não seria bom transparecer insatisfação primeiramente com os meus erros, mas também com a falha alheia, que de alguma forma sempre me atinge; pra disfarçar a raiva, maquiar as palavras para não dizer a verdade aos ouvidos maculados pela mentira? Infelizmente, o que ainda me impede de dizer certas coisas, é o verniz da educação, e estas coisas nada têm de obscenas, partidárias ou falsas.

Quem disse para me conformar com minha própria situação, muitas vezes  inconstante, e porque me conformaria com o caos que impera neste mundo? Quem disse que deveríamos agir como fariseus, hipócritas e bandoleiros da fé? Aliás, de onde saiu tanto absurdo e com que autoridade proferem tais mentiras?

Paulo nos diz que "para a liberdade foi que Cristo nos libertou" (Gálatas 5.1) e é pela certeza desta liberdade que não nos atreveremos a sermos fantoches ou alguma nova espécime de robôs. Salomão nos instrui sobre o tempo certo de todas as coisas, inclusive para chorar, para jogar pedras, para se afastar, e igualmente há o tempo de rir, de ajuntar e de amar. (Eclesiastes 3)

Que Deus me ensine a chorar e me derramar quando necessário, que eu não cale dentro de mim sentimentos ou palavras por farisaísmo, legalismo ou religiosidade barata; mas se vier a calar, que seja por sabedoria, sensatez e necessidade. Que meu sorriso não fira o coração alheio, mas seja expressão genuína que encontro somente naquele que extrai dos meus dias mais sombrios, sempre alguma cor e beleza, os quais por mim mesma, não saberia sequer existir.

Que eu me mantenha longe, não por comiseração ou orgulho mesquinho, mas pela necessidade de refletir e de silêncio, de espaço para o próximo e para mim mesma, afinal, "respirar" é condição indispensável a qualquer um. E acima de tudo, que os encontros e reencontros sejam cheios de alegria verdadeira, afeto sincero e que na comunhão entre dois ou três, Deus se faça presente, pois ali o encontraremos se assim procedermos.

 Ensina-nos a viver, Senhor! 


2 comentários:

Fernando Saraiva disse...

Mais uma vez brilhante minha baianinha rs rs rs, foram cinco meses de espera, mais valeu a espera... Realmente há certas horas que silêncio é a nossa melhor resposta, e o calar o maior dos discursos. Não por medo, mas por consciência daquilo que iremos falar, não por um sentimento hipócrita, mas pela singela e tênue fineza de nosso ser... Ora, quem disse que devemos seguir o padrão religioso e nos arredar em suas doutrinas, se Cristo é maior que tudo isso!!! Ir na contra mão do mundo não é ser quadrado, retangular ou uma espécie de triangulo obtuso, Não!!!... Tenho meus momentos de crise, bem mais freqüentes agora, mas quem não os tens!!! Choro, sinto raiva, me angustio, MAS, todos os dias peço ao Soberano e Eterno, que me ensine a viver, pois se o oxigênio é vital a vida, o calor do eterno é vital para a alma, e assim vamos vivendo, mais outro dia!!!

Gerlane, que o ontem, o hoje, o amanhã e o eterno de abençoes minha linda amiga!!!

Gerlane G. Oliveira disse...

Oi Fernando,

Sempre aprendo e sou inspirada por seus comentários! É incrível como suas palavras sempre enriquecem o texto e me dão mais algumas coisas sobre as quais pensar!

Cinco meses... foi um tempo de digerir assuntos, questionar e chegar à conclusões valiosas!Fico feliz por ter amigos que apoiem, incentivem e me inspirem a prosseguir, e você está entre eles. Só tenho a agradecer! Você tem sido bênção em minha vida!

É isso aí! Que cresçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor e aprender a viver segundo o Seu querer, graça e benignidade.

Paz!